terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Notícias da Antena Nove

Faleceu ontem o professor Rúben Rodrigues. Antigo presidente da Assembleia Municipal da Horta, foi também presidente do Atlético e dirigiu os diários faialenses O Telégrafo e Correio da Horta.

Câmara da Horta já tem plano e orçamento. A oposição absteve-se na votação. Mas houve unanimidade na reunião da assembleia municipal sobre outro assunto: a água. Na discussão as divergências no entanto vieram ao de cima.

Tempo chuvoso e neblinas para a passagem de ano. Não é o melhor, mas antes isso do que uma perna partida!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | Céu nublado e neblinas na passagem do ano

A despedida de 2013 e a chegada de 2014 serão feitas sob um estado do tempo tipicamente açoriano

O "amante" da meteorologia Luís Serpa, criador e administrador do grupo do Facebook Amantes da Meteorologia do Triângulo, recentemente formado, acaba de nos dar notícias pouco animadoras para a passagem do ano. Oxalá que elas se fiquem pelo estado do tempo, pois todos nós desejamos que a nossa vida seja, em 2014, o melhor possível.

Quanto ao estado do tempo Luís Serpa diz que amanhã ocorrerão "alguns aguaceiros fracos durante o dia". O céu estará "muito nublado", o vento soprará "de oeste, com rajadas até 50 km/h". Existirão "condições para a formação de neblinas".

À meia-noite, precisamente, "condições favoráveis para a formação de neblinas e para chuva ou chuviscos pela madrugada dentro". Vento "de sudoeste moderado a fresco com rajadas de 50/60 km/h nas vertentes viradas a sul das ilhas do Triângulo".

No 1.º dia do ano: "Vento sudoeste que poderá ser mais intenso à tarde (fresco a muito fresco) com rajadas de 60 km/h. Haverá condições favoráveis para a formação de neblinas. Aguaceiros fracos podendo ser mais frequentes ao final do dia."

PAÍS | Governo remodelado 7 vezes em 2013

O governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho foi hoje remodelado pela 9.ª vez (a 7.ª  no ano em curso). Entrou em funções a meados de 2011, para cumprir um mandato que vigora até 2015

Tomaram posse José Maria Teixeira Leite Martins, como secretário de Estado da Administração Pública; João Almeida, como secretário de Estado da Administração Interna e António Manuel Costa Moura, como secretário de Estado da Administração Patrimonial e Equipamentos do Ministério da Justiça, em substituição de Hélder Rosalino, de Filipe Lobo d'Ávila e de Fernando Santo, respectivamente.

O 19.º Governo Constitucional, apoiado pela coligação PSD/CDS-PP, é composto por 14 ministros e 41 secretários de Estado.

ELENCO COMPLETO

Primeiro-ministro - Pedro Passos Coelho

Secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministroCarlos Moedas
Secretário de Estado da Cultura - Jorge Barreto Xavier

Vice-primeiro-ministro - Paulo Portas

Secretário de Estado Adjunto do Vice-primeiro-ministro - Miguel Morais Leitão
Subsecretária de Estado Adjunta do Vice-primeiro-ministro - Vânia Dias da Silva

Ministra de Estado e das Finanças - Maria Luís Albuquerque

Secretário de Estado Adjunto e do Orçamento - Hélder Reis
Secretária de Estado do Tesouro - Isabel Castelo Branco
Secretário de Estado das FinançasManuel Rodrigues
Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais - Paulo Núncio
Secretário de Estado da Administração Pública - José Maria Teixeira Leite Martins

Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros - Rui Machete

Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação - Luís Campos Ferreira
Secretário de Estado dos Assuntos Europeus - Bruno Maçães
Secretário de Estado das Comunidades PortuguesasJosé Cesário

Ministro da Defesa Nacional - José Pedro Aguiar-Branco

Secretária de Estado Adjunta e da Defesa Nacional - Berta Cabral

Ministro da Administração Interna - Miguel Macedo

Secretário de Estado Adjunto do ministro da Administração Interna - Fernando Alexandre
Secretário de Estado da Administração Interna - João Almeida

Ministra da Justiça - Paula Teixeira da Cruz

Secretário de Estado da Administração Patrimonial e Equipamentos do Ministério da Justiça - António Manuel Costa Moura

Ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares - Luís Marques Guedes

Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade - Teresa Morais
Secretário de Estado do Desporto e Juventude - Emídio Guerreiro

Ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional - Miguel Poiares Maduro

Secretário de Estado Adjunto do Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional - Pedro Lomba
Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional - Manuel Castro Almeida
Secretário de Estado da Modernização Administrativa - Joaquim Pedro Cardoso da Costa
Secretário de Estado da Administração Local - António Leitão Amaro

Ministro da Economia - António Pires de Lima

Secretário de Estado Adjunto e da Economia - Leonardo Melo Mathias
Secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade - Pedro Pereira Gonçalves
Secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações - Sérgio Monteiro
Secretário de Estado do Turismo - Adolfo Mesquita Nunes

Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia - Jorge Moreira da Silva

Secretário de Estado do Ambiente - Paulo da Silva Lemos
Secretário de Estado da Energia - Artur Trindade
Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza - Miguel Castro Neto

Ministra da Agricultura e do Mar - Assunção Cristas

Secretário de Estado da Agricultura - José Diogo Albuquerque
Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural - Francisco Gomes da Silva
Secretário de Estado do Mar - Manuel Pinto de Abreu
Secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar - Nuno Vaz Vieira de Brito

Ministro da Saúde - Paulo Macedo

Secretário Adjunto do Ministro da Saúde - Fernando Leal da Costa
Secretário de Estado da Saúde - Manuel Ferreira Teixeira

Ministro da Educação e Ciência - Nuno Crato

Secretário de Estado do Ensino Superior - José Ferreira Gomes
Secretária de Estado da Ciência - Leonor Parreira
Secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar - João Casanova de Almeida
Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário - João Grancho

Ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Pedro Mota Soares

Secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social - Agostinho Branquinho
Secretário de Estado do Emprego - Octávio Félix de Oliveira

[Fonte: site Notícias ao minuto]

sábado, 28 de dezembro de 2013

Versão PDF do blogue





EDITORIAL | Explicação

Criei este blogue onde publico algumas notícias cujo tema me interessa, não apenas extraídas de órgãos de comunicação social, a quem dou, evidentemente, os devidos créditos, mas também baseadas em dados recolhidos por mim próprio.

Decidi, depois, que começaria a publicar o que vou escrevendo para o jornal Incentivo, bem como os noticiários que elaboro e apresento e os programas que realizo na Antena Nove.

O objetivo é que o blogue seja o repositório da minha atividade jornalística e o espelho da atualidade segundo o meu critério pessoal.

Depois, porque tenho um especial gosto para a paginação, resolvi começar a transpor para uma configuração do tipo revista o que vou publicando no blogue. À falta de recursos financeiros que permitam a sua impressão o formato fica-se pelo digital  (PDF), que é uma alternativa de visualização em relação ao blogue.

Pensei que este trabalho e a informação nele contida poderiam despertar a curiosidade de algumas pessoas. Por isso o blogue é público e a versão PDF será enviada a quem se mostrar interessado, bastando, para tanto, solicitá-lo através do e-mail jornalista.souto@gmail.com

O título do blogue, e do PDF, está de acordo com o objetivo que atrás enunciei. O subtítulo talvez seja um pretensiosismo... Crónica, porque, como diz o dicionário, “é um texto de timbre jornalístico, concebido de forma livre e pessoal, que tem como assunto um facto ou uma ideia da atualidade”. Faialense, porque aqui se escreve sobre o Faial, principalmente.

Mas, se este espaço informativo e de opinião não for “a” Crónica faialense, poderá ser, ao menos,”uma” Crónica faialense, isto é, o relato, segundo a minha perspectiva, condicionada pela minha disponibilidade, do que acontece nos 172 km2 que compõem a ilha do Faial, ou seja, onde exerço a minha profissão. “Tudo o que é notícia nos 172 km2 que compõem a ilha do Faial” constitui, aliás, a epígrafe de uma página do blogue (que terá expressão no PDF)  intitulada “Agenda faialense” onde procurarei calendarizar aquilo de que tiver conhecimento.

Duas notas finais: o blogue e a versão PDF têm uma periodicidade intermitente; o acordo ortográfico é assumido, com a ressalva de que as palavras com grafia dupla serão escritas como dantes.

POLÍTICA | Direita e Esquerda abstêm-se na votação do plano e do orçamento do município da Horta

As Grandes Opções do Plano e Atividades Mais Relevantes e o Orçamento da Receita e da Despesa do município da Horta para 2014 foram ontem aprovados na assembleia municipal pelo PS. As coligações PSD/CDS/PPM e CDU (PCP/PEV) abstiveram-se

Luís Prieto, líder do grupo de deputados municipais do PS, personificou o apoio
ao plano e ao orçamento apresentados pela câmara socialista

Sem sobressaltos, como era esperado, em face da maioria absoluta do PS na Assembleia Municipal da Horta, com 19 deputados municipais contra 15 (13 da coligação PSD/CDS/PPM e 2 da CDU), mas também sem grande debate, o plano e o orçamento do município faialense, pela primeira vez apresentados por José Leonardo na qualidade de presidente da autarquia, foram aprovados.

Aconteceu durante uma sessão muito longa, nos paços do concelho, que durou quase 6 horas e meia, para abordar uma ordem de trabalhos anormalmente extensa, composta, inicialmente, por 18 pontos, da qual, entretanto, foram retirados 5.

As opções políticas da câmara corporizadas nos dois documentos em causa, cujo valor se aproxima de 14 ME (milhões de euros) indicam uma aposta nos sectores social e económico.

A coligação PSD/CDS/PPM e a CDU criticaram o que afirmam ser a falta de rigor na elaboração das propostas, evidenciada na inscrição de algumas receitas cuja obtenção não está assegurada. A oposição deu o exemplo da venda de património municipal que previu não vir a ser concretizada. Para o PS o plano e o orçamento são a tradução dos seus compromissos eleitorais.

Abastecimento de água

Na sessão de ontem foi aprovada por unanimidade uma proposta da CDU que recomenda à câmara a realização de um levantamento exaustivo sobre os problemas do abastecimento de água e a elaboração de um relatório com as conclusões a apresentar na assembleia muncipal.

Estava agendada uma petição sobre o mesmo assunto, mas o presidente da assembleia informou que só depois do documento ser apreciado e relatado por uma comissão da própria assembleia é que será levado ao plenário para discussão.

Antes a coligação PSD/CDS/PPM entregara na mesa uma proposta de recomendação que visava a constituição de uma comissão de acompanhamento do saneamento básico e da qualidade da água. O presidente considerou que se tratava antes de uma proposta de resolução, sem cabimento no período de antes da ordem do dia, período em que foi apresentada. A votação não chegou a ser feita.

Comissão permanente e representantes da assembleia municipal

O presidente da assembleia, Fernando Menezes (PS), juntamente com as secretárias da mesa Sandra Silveira (PS) e Salomé Matos (PSD) e ainda os deputados municipais Luís Prieto (PS), Manuel Goulart (PS), Roberto Vieira (PSD) e José Decq Mota (PCP) passam a constituir a comissão permanente deste órgão.

Foram eleitos os representantes da assembleia municipal no Conselho Municipal de Juventude: Bruno Leonardo e Delfina Goulart, ambos do PS e Raquel Raposo, do PSD. 

Fazia parte da ordem de trabalhos a eleição dos representantes no Conselho de Ilha do Faial, no Conselho Muncipal de Educação e no Conselho Municipal de Segurança e a designação do presidente de junta de freguesia para o Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses. Uma vez que não houve consenso entre os partidos na formação das listas de candidatos a respectiva eleição foi adiada.

ARTIGO RELACIONADO
Câmara da Horta apresenta orçamento e reforça Fundo de Emergência Social

SOCIEDADE | Aves migratórias em grande número nos charcos de Pedro Miguel

Tem-se verificado nos últimos dias um movimento assinalável de aves migratórias nos charcos da freguesia de Pedro Miguel

Íbis preta nos charcos de Pedro Miguel


A época alta da observação de aves acontece nos meses de janeiro e fevereiro. Nesta altura garças, patos e várias espécies limícolas (que vivem no lodo) utilizam as ilhas dos Açores com regularidade para se alimentarem e repousarem.

Os charcos de Pedro Miguel, na ilha do Faial, registaram, por isso, nos últimos dias, com a entrada no inverno, a presença de uma grande variedade de aves migratórias, o que comprova a importância desta zona para a conservação de várias espécies, salienta uma informação divulgada pelo governo regional.

Uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do executivo açoriano informa que na quinta-feira, 26 de dezembro, foram registadas no local 27 marrequinhas (Anas crecca), dois arrábios (Anas acuta) e uma íbis preta (Plegadis falcinellus).

Na ilha do Faial os locais com interesse ornitológico mais utilizados neste período do ano pelos observadores de aves, cuja atvidade tem registado um incremento, são os charcos de Pedro Miguel e a Caldeira.

Painho-de-cauda-forcada anilhado no Faial

Um painho-de-cauda-forcada (Oceanodroma leucorhoa) foi, entretanto, encontrado e entregue aos cuidados do Parque Natural do Faial. Em conjunto com o DOP a ave foi anilhada e, posteriormente, libertada para continuar a sua viagem para sul.

Os painhos, ave marinha pelágica, são avistados com alguma frequência junto a terra, sobretudo durante ou logo após grandes temporais. Nidificam a norte do Atlântico, por exemplo na Islândia, ilhas da Escócia e ilhas ao largo da Noruega e invernam a sul do Atlântico, em latitudes tropicais e subtropicais, ocorrendo ao largo da costa portuguesa, explica um texto publicado no site do Parque Natural do Faial no dia 18 de dezembro.

Este painho - acrescenta a notícia - é o maior (38 gr.) que se observa nas águas portuguesas e destaca-se pela sua enorme capacidade de enfrentar ventos, notável para uma ave tão pequena.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | Fotografia aérea mostra perspectiva interessante do Pico

O Pico nunca se exime de proporcionar aos fotógrafos, sejam profissionais ou amadores, momentos inéditos e, senão inéditos, quase sempre deslumbrantes

A «meia broa», troço de mar entre os ilhéus e o porto da Madalena, vista de um ângulo raro, 
pela objetiva de José Leonildo Dias




Nesta fotografia de José Leonildo Dias, funcionário do sector de abastecimento de água da Câmara Municipal da Horta, popularmente conhecido por “Ritinha”, publicada hoje no Facebook, pode ver-se, de um ângulo só acessível a quem viaja de avião, no caso um "regresso de Lisboa", a "meia broa", troço de mar com pouco mais de um quarto de milha, entre os ilhéus e o Porto da Madalena, que foi, em dias de mar do Norte, um desafio aos antigos mestres das velhas lanchas do Pico e continua a ser, hoje, um quebra-cabeças dos que governam embarcações com destino à vila da "fronteira", apesar de os meios de navegação já serem outros.

Bem vísivel está também o quebra-mar que faz parte da requalificação em curso do principal porto da ilha do Pico, escala incontornável do Triângulo e uma das mais apreciadas portas de entrada - porque se entreabre perante a montanha mais alta de Portugal - de quantas dão acesso às ilhas do arquiélago açoriano.

POLÍTICA | Assembleia Municipal da Horta discute hoje plano e orçamento da câmara

A Assembleia Municipal da Horta reúne-se hoje pela primeira vez após a sessão de instalação, que decorreu na sequência das Eleições Autárquicas de 2013. Os deputados municipais têm pela frente uma gorda agenda de 18 pontos

Orçamento do município da Horta aproxima-se de 14 ME (milhões de euros)
[fotografia de Frederico Cardigos | 2012]
A sessão inicia-se pelas 14h30 no salão nobre dos paços do município. Os 8.º e 9.º pontos da ordem de trabalhos são os que despertam maior interesse: Grandes Opções do Plano e Atividades Mais Relevantes e Orçamento da Receita e da Despesa para o ano de 2014, cujo valor se aproxima de 14 ME (milhões de euros).

A fixação do valor da derrama e uma proposta de recomendação e uma petição sobre o abastecimento de água ao concelho são também assuntos que despertam a atenção, não apenas pela sua importância intrínseca, mas também devido às polémicas em que estiveram envolvidos no ano em curso (no caso da água) e em anos anteriores (no caso da derrama).

O plenário da assembleia municipal vai eleger os respectivos representantes em diversos organismos e constituir a comissão permanente.

Fazem parte da ordem de trabalhos, assinada pelo presidente da Assembelia Municipal da Horta, Fernando Menezes, 18 pontos, um número pouco habitual, mas próprio do início do mandato, para o que contribuiem, por exemplo, as já referidas eleições de representantes.

A Assembleia Municipal da Horta é constituída por 34 membros. O PS elegeu 11, a coligação PSD/CDS/PPM, 8 e a CDU, 2. Tomam também assento na assembleia os 13 presidentes de junta de freguesia: 8 do PS e 5 do PSD. Os socialistas têm, assim, uma larga maioria de 19 votos, contra 13 do PSD/CDS/PPM e 2 da CDU.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | Missa da noite de Natal na Matriz da Horta transmitida pela RTP

A Rádio e Televisão de Portugal transmitiu em direto a missa da noite de Natal celebrada na igreja do Santíssimo Salvador da Horta

A “missa do galo”, assim denominada pela tradição cristã, teve início, pontualmente, às 23 horas de ontem (uma hora antes do habitual) e foi presidida pelo pároco da Matriz e ouvidor da Horta, Marco Luciano Carvalho. A Eucaristia teve transmissão da RTP-Açores, RTP 2, RTP Internacional e ainda da rádio do grupo RTP, a Antena 1. Um presépio com imagens em tamanho real sobressaiu num cerimonial simples, mas solene, na melhor tradição da Matriz da Horta.

A “missa do galo” foi presidida pelo ouvidor da Horta

sábado, 21 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | Hoje é o dia mais pequeno do ano

O inverno começa hoje. A estação mais fria do ano chegou e vai durar até 20 de março

Hoje é o dia mais pequeno do ano, com 9 horas e alguns minutos de sol. Na tradição popular a noite de Natal é vista como a mais longa, pelo simbolismo que comporta, mas é a partir de hoje que os dias começam a crescer e as noites a ficar mais pequenas.

O solstício de inverno ocorre hoje às 17h11

Na terra, o solstício de inverno no hemisfério norte e de verão no sul acontece precisamente às 17:11, quando o sol atinge a zona mais baixa no horizonte.

Naquele que é o dia mais pequeno do ano, o sol nasce um pouco antes das 08h00 e põe-se às 17h19 (referência a Lisboa).

O solstício é um momento, a partir do qual os dias vão de novo gradualmente a ser maiores no hemisfério norte e que tem a ver com a inclinação do eixo da terra e não com a distância entre o planeta e o sol.

O momento em que a terra está mais próxima do sol, o chamado periélio, acontece no início de janeiro (em julho é o momento em que está mais afastada, o afélio).

O solstício é assinalado desde a antiguidade, havendo mesmo monumentos megalíticos que estão para ele orientados.

O Natal está relacionado com a cristianização de uma festa tradicional que tem a ver com o solstício, que simboliza o renascimento ou o reinício, a festa do sol, o momento em que a luz vence a escuridão e os dias voltam a ser maiores.

O inverno, que hoje começa, dá lugar à primavera a partir de março. O dias vão, a partir de hoje, voltar a crescer, até 21 de junho, quando se assinala a noite mais curta.

[Fonte: Agência Lusa]

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

CULTURA | Fotógrafo sublima o Pico através da imagem

O fotógrafo picoense Pedro Silva tem vindo, ao longo dos últimos tempos, a realizar um trabalho fora de série de exaltação, através da imagem, da montanha do Pico e de outros lugares daquela ilha

Uma das mais recentes imagens "feitas" por Pedro Silva
Embora diga que não é fotógrafo, na apresentação da sua página do Facebook, onde tem divulgado o trabalho que está a empreender, o gosto que assume pela fotografia, ali também afirmado, revela que se está perante um artista.

"Nem sei para que serve a maior parte das funções da máquina", reconhece Pedro Silva na apresentação feita naquela rede social, mas o que é certo é que tem publicado surpreendentes perspectivas do Pico; revelado lugares escondidos e de rara e insuspeita beleza e captado, com um apuro técnico de nível superior, momentos únicos proporcionados pela constante metamorfose do ambiente criado em torno de um dos lugares mais bonitos do mundo.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | São Miguel cada vez maior

"São Miguel a caminho dos 60 por cento" foi o título escolhido pelo jornal Diário dos Açores para noticiar na sua edição online que a maior illha do arquipélago adquiriu "um peso de 56% da população regional, com 138.551 dos 247.549 residentes dos Açores"

O periódico micaelense citou, ontem, os Anuários de 2012 do Instituto Nacional de Estatística (INE) adiantando que "tendo em conta os dados conhecidos, nomeadamente os recenseamentos decenais desde 1900, é a primeira vez que S. Miguel atinge esse valor". E continuou: "No resultado do Censos de 2011, que levou a uma correcção de 2,63% em relação aos dados do ano de 2010 (que, como os de 2012, são por projecção), S. Miguel já revelava esse aumento substancial, mas tinha-se ficado pelos 55,9% da população."

O jornal lembrou que "pelos censos decenais, o ano com menor peso da população terá sido o de 1900, em que S. Miguel apenas tinha 47,6%" e acrescentou que "neste momento, S. Miguel parece assumir uma tendência para se aproximar dos 60% da população açoriana".

Reações

Um fac-simile da notícia do Diário dos Açores publicada na respectiva edição impressa foi reproduzido no Facebook por Sá Couto, merecendo, até à noite de hoje, alguns comentários, dos quais se destaca o do faialense José António Martins Goulart, professor universitário jubilado e antigo líder do Partido Socialista nos Açores, figura proeminente no advento do regime autonómico açoriano consagrado na Constituição da República Portuguesa de 1976.

Referindo-se aos dados noticiados Martins Goulart considera-os "a prova mais evidente de que os princípios fundadores do regime da Autonomia Regional foram sistematicamente desrespeitados e subvertidos ao longo das últimas quatro décadas".

"Em vez de se ter procurado construir uma comunidade insular solidária e coesa - que constituiria o indispensável alicerce da almejada unidade regional - o desequilíbrio demográfico foi a ferramenta manejada por gente sem escrúpulos que, traindo os ideais autonómicos, consolidaram uma nova estrutura de poder, centralista, de âmbito regional, porventura mais dominadora e mesquinha do que 'velha' sede de poder que ainda se exerce a partir do Terreiro do Paço", remata aquele que foi um dos antecessores de Carlos César à frente do PS-Açores, sobre quem, mais do que divergir, alimentou, até hoje, uma forte e dupla atitude crítica, ora por omissão, ora por ação, ainda que aquela quase continuada.

José António Martins Goulart também foi, na história do regime autonómico, uma das personalidades, ou, talvez, a personalidade que se destacou, nomeadamente no plano parlamentar, com maior brilhantismo e denodo, na oposição ao "consulado" de Mota Amaral.

Curiosamente, o autor da notícia do "Diário", o jornalista Manuel Moniz, respondeu ao comentário de Martins Goulart com uma desvalorização da interpretação dada aos números: "Isso até poderia ter sido assim se houvesse inteligência nos Açores! Infelizmente, e como em quase tudo o que se passou nas últimas 4 décadas, isto é fruto do... acaso!"

Outro participante na troca de opiniões sobre este assunto resumiu a sua posição dizendo que "as assimetrias" são um "velho problema português".

ECONOMIA | "Gilberto Mariano" entrou nos Açores pelo porto da Madalena

O porto da Madalena na ilha do Pico foi o primeiro dos Açores a receber o novo navio da Atlânticoline. Numa passagem simbólica pela terra da personalidade que lhe deu o nome - que o padre Marco Martinho classifica de "momento histórico, único e irrepetível" - o Gilberto Mariano acompanhou a chegada à Madalena do Cruzeiro do Canal às 11 horas de ontem

O Gilberto Mariano à chegada ao porto da Madalena, num troço de mar que Gilberto Mariano da Silva percorreu durante uma vida inteira [fotografia de Marco Martinho]
O Mestre Simão, primeiro navio mandado construir pelo governo regional para as ligações marítimas de passageiros e viaturas do Triângulo dos Açores, deu entrada no porto da Horta no passado dia 23 de outubro, exibindo o nome do faialense Manuel Alves, que ficou conhecido por Mestre Simão, já falecido, antigo mestre das lanchas do Pico e filho de Simão Alves.

O segundo navio da Atlânticoline que irá operar entre as ilhas de São Jorge, Faial e Pico chegou ontem e antes de atracar também no porto da Horta passou pelo porto da Madalena, de forma simbólica, terra onde nasceu Gilberto Mariano da Silva, igualmente falecido e cujo nome foi escolhido para designá-lo.

Gilberto Mariano da Silva tem uma história de vida ligada ao Canal entre o Pico e o Faial, através do qual desempenhou um papel que se poderia classificar como de carteiro do Canal, pois nas suas mãos e à sua confiança foram entregues muitos cabazes, cartas e outros tipos de encomendas que circularam entre estas duas ilhas.

Um gesto sublime

O sacerdote faialense colocado no Pico, Marco Martinho, escreveu no Facebook [ver aqui texto e álbum de fotografias] que "foi sublime o gesto desta entrada simbólica do Gilberto Mariano no Porto da Madalena, antes de ancorar ao Porto da Horta". Marco Martinho diz que "pecou somente por não ter sido divulgado aos madalenenses". Se o tivesse sido o padre Martinho não duvida que "seriam centenas em cima do cais, em vez das pouco mais de duas dezenas de pessoas que presenciaram este momento histórico, único e irrepetível".

Em jeito de reportagem, Marco Martinho, que, entre outras funções, é o pároco da Madalena, informa que a filha e dois netos de Gilberto Mariano da Silva "apanhados de surpresa rumaram ao cais". O sacerdote testemunha  "a alegria e emoção" que sentiram ao ver o nome do seu pai e avô "nesta nova embarcação que perpetuará o seu nome sobre as ondas deste mar, que milhares de vezes atravessou ao serviço das gentes dos dois lados deste canal".

VÍDEO, DA AUTORIA DE MANUEL SOARES, SOBRE A CHEGADA AO PORTO DA HORTA DO NAVIO GILBERTO MARIANO >

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

ECONOMIA | "Gilberto Mariano" chega hoje ao porto da Horta

O navio da Atlânticoline "Gilberto Mariano", irmão gémeo do "Mestre Simão", deverá chegar hoje ao fim da manhã ao porto da Horta, avança o jornal Incentivo na sua edição desta terça-feira citando aquela companhia de navegação.

O "Gilberto Mariano" partiu na passada semana de Burela, na Espanha, com destino ao Faial. Vai juntar-se ao "Mestre Simão" nas ligações marítimas de transporte de passageiros e viaturas nas ilhas do Triângulo dos Açores cujo início está anunciado para o princípio do próximo ano.

Gilberto Mariano, o "carteiro do Canal", o homem que deu o nome a um dos navios da Atlânticoline que vão fazer as ligações marítimas entre as ilhas do Triângulo dos Açores [fotografia: direitos reservados]

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

POLÍTICA | Câmara da Horta apresenta orçamento e reforça Fundo de Emergência Social

O Fundo de Emergência Social (FES) do município da Horta terá em 2014 a sua maior dotação financeira, mais do que duplicando o respectivo valor.

José Leonardo garantiu hoje que as propostas da oposição "estão totalmente plasmadas" no plano e no orçamento do município da Horta
Na manhã de hoje o presidente da Câmara Municipal da Horta informou que o próximo orçamento da autarquia destina ao FES 75 mil euros, mais 45 do que no ano em curso. José Leonardo falava na apresentação do plano e do orçamento para 2014, durante uma conferência de imprensa que decorreu nos Paços do Concelho.

Os principais documentos de gestão municipal atingem um valor muito próximo de 14 ME (milhões de euros). As despesas correntes consumirão 7.311.908 euros enquanto para investimento está destinada a verba de 6.667.432 euros.

A vereação vai apreciar os documentos na próxima quarta-feira e a Assembleia Municipal da Horta votá-los-á na sexta-feira, dia 27 do corrente mês.

José Leonardo disse na conferência de imprensa que o saneamento básico se vai inicar no próximo ano e que será executado por fases. As obras começarão no Bairro Mouzinho Albuquerque e custarão 800 mil euros. O presidente da câmara acrescentou que a zona da cidade em causa ficará, no termo da empreitada, ligada à ETAR.

Questionado sobre se a verba inscrita para este efeito não seria "pequena", o autarca respondeu que será suficiente para concluir a parte que diz respeito ao Bairro Mouzinho Albuquerque, situado na freguesia das Angústias.

Na ocasião foram anunciados vários projetos para as áreas social e económica. Além disso o presidente da câmara destacou, entre outros, o programa "Faial - Ilha de Tradições", que substituirá as populares Semanas Desportivas e Culturais, agora com uma componente intergeracional. José Leonardo explicou que a câmara quer envolver os mais idosos e as crianças nomeadamente na realização dos jogos tradicionais.

Sobre a integração das propostas da oposição no plano e no orçamento José Leonardo referiu que "estão totalmente plasmadas" nestes documentos, depois de os partidos com assento na assembleia municipal - PS, PSD/CDS/PPM e PCP - terem sido ouvidos.

Apenas a coligação PSD/CDS/PPM e o PS avançaram com propostas, segundo o presidente do município, que disse esperar que o seu acolhimento se reflita na votação dos documentos. "Não há razão nenhuma para as coligações que temos no Faial votarem contra" afirmou o presidente da Câmara Municipal da Horta.

ARTIGO RELACIONADO
Direita e Esquerda abstêm-se na votação do plano e do orçamento do município da Horta

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | Bill e Hillary Clinton em Santa Maria

A página "Aeroportos dos Açores" do Facebook deu hoje à estampa várias fotografias [ver aqui] sobre a passagem do casal Clinton no Aeroporto de Santa Maria no regresso das cerimónias fúnebres de Nelson Mandela na África do Sul.

O antigo presidente dos Estados Unidos da América e a mulher, que foi secretária de Estado da Administração Obama, fotografados no Aeroporto de Santa Maria [fotografia: direitos reservados]

DESPORTO | FC Madalena isola-se na liderança do Campeonato da Associação de Futebol da Horta

GD CEDRENSE - FAYAL SC. Empate na Lajinha (0-0)
Para o Campeonato da Associação de Futebol da Horta, no escalão principal, o FC Madalena foi a única equipa a ganhar na jornada número 2, realizada no domingo.

O conjunto picoense recebeu o Vitória FC e venceu por 2-0. Assume, deste modo, o comando isolado da prova uma vez que o GD Cedrense e o Fayal SC empataram sem golos no campo da Lajinha, nos Cedros.

A classificação está assim ordenada: FC Madalena, 4 pontos, GD Cedrense, 2, FC Flamengos, Vitória FC e Fayal SC, 1.

(Publicado na edição do jornal Incentivo de quarta-feira, 11 de dezembro de 2013)

DESPORTO | Equipa de futebol do SC Horta por volta de 1970























ANOS 70. Formação do Sporting da Horta de há cerca de 40 anos, constituída por Fernando Silva, Evaristo Rosa, Manuel Vitorino, Alexandre Simas, Amadeu, Carlos Serpa, Rúben e Mário Ismael, em cima, da esquerda para a direita; António Amaral, Manuel Fernando, Tino Lima, Granjo, Costa, Lacerda e Matos, em baixo, pela mesma ordem ]fotografia: direitos reservados]

(Publicado na edição do jornal Incentivo de quarta-feira, 11 de dezembro de 2013, na rubrica "O baú do Luís Rosa")

Contracapa do jornal Incentivo


OPINIÃO | Estacionamento na cidade da Horta

Como é habitual, por causa da instalação de um palco e outras estruturas na Praça da República e nas proximidades do mercado municipal, os táxis passaram, durante alguns dias, para a Rua Serpa Pinto. Só que, desta vez, estacionaram em espinha. Chamou-me à atenção esta nova disposição! E pensando nisso interroguei-me sobre se não seria possível aplicar uma solução idêntica noutras zonas da cidade. Uma dessas zonas é, por exemplo, a própria Rua Serpa Pinto, entre o “Chico das Bicicletas” (hoje Rocha & Rocha, ou simplesmente Tomás) e o “Mergulha Feijão” (hoje Mercearia Silva). Para além de poderem passar a estacionar mais carros e de a rua, se calhar, se apresentar esteticamente mais bonita, contribuía, talvez, para evitar a tendência de parar em segunda fila, pois quem o fizesse passava a impedir a circulação tendo em conta a largura da faixa de rodagem disponível, o que é dissuasor. O mesmo poderia suceder na avenida marginal e provavelmente noutros espaços. Estes problemas do trânsito, do estacionamento, de ruas pedonais, etc. etc. na cidade da Horta, que não requerem nenhum investimento infraestrutural, ou, pelo menos, não necessitam de obras avultadas para serem resolvidos, são um eloquente exemplo de uma certa inércia que grassa entre quem tem responsabilidades políticas na nossa terra. Os álibis do saneamento básico, da frente mar ou da variante têm servido bem para que continuemos, no que toca a estes assuntos, parados no tempo. Cria-se a ideia de que vêm a caminho grandes obras e, enquanto se espera, pouco ou nada se faz. Entretanto a austeridade serve bem como desculpa para não realizar o que antes, por incapacidade de iniciativa, não se foi capaz de pôr em prática. Às vezes ponho-me a olhar para a nossa câmara e parece-me que vejo nela uma espécie de gabinete de marketing. Conferências de imprensa, fóruns, feiras, protocolos, parcerias é o que mais tem produzido o município e a sua “entourage”. Até de primeiras pedras não se fala, pois não há obras para iniciar. A não ser as do governo!

[Publicado na edição do jornal incentivo de quarta-feira, 11 de dezembro de 2013, na rubrica "A abrir"]

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Notícias da Antena Nove

O parlamento reúne-se a partir de hoje na Horta para discutir 7 petições, a maioria relacionada com o tema da saúde.

Sobre o mesmo assunto – a saúde – o secretário regional da tutela anunciou que o tempo de espera nas consultas externas dos hospitais e centros de saúde vai ser otimizado.

É uma das mais antigas instituições da ilha do Faial em atividade. O Amor da Pátria fez 154 anos.

 

DESPORTO | Derrota inesperada do Sporting da Horta

Os adeptos, a quem tanto o Sporting pede apoio, saíram na noite de domingo do Pavilhão Desportivo da Horta desencantados com o resultado obtido diante do Belenenses (17-22) do Campeonato Nacional de Andebol da 1.ª divisão

HORTA - BELENENSES. Equipa faialense não soube agarrar a oportunidade de jogar em casa























Na 4.ª jornada, em Lisboa, o Sporting venceu o Belenenses (23-31). Na 15.ª ronda, na Horta, esperava-se ver o encarnado sobressair sobre o azul. Mas foi o contrário que aconteceu e o Horta encaixou uma derrota que, certamente, não estava equacionada nas contas de Filipe Duque. Mesmo assim o Sporting Clube da Horta não viu periclitar o 6.º posto da tabela classificativa, que vem criando raízes. Esta posição, a manter-se ou a melhorar durante a 1.ª fase da competição, fará com que o Horta entre na fase final, pela segunda vez consecutiva, dentro do grupo que discutirá o título de campeão nacional.

A turma faialense tem 31 pontos. O líder é o Benfica (38). Seguem-se Sporting de Portugal (37), ABC (36) e Águas Santas (36). O Porto (34) tem menos dois jogos do que o Horta e menos 1 do que os primeiros.

(Publicado na edição do jornal Incentivo de terça-feira, 10 de dezembro de 2013)

Contracapa da edição do jornal Incentivo


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

SOCIEDADE | Frio à porta

Uma queda abrupta da temperatura do ar está prevista para amanhã nos Açores. Em relação ao Grupo Central o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê que a temperatura mínima desça até 10º C e a máxima até 14º C.

Ao fim da tarde um dos administradores do grupo do Facebook "Amigos da Meteorologia dos Açores", Luís Serpa, escreveu no mural daquele grupo que nas Flores a temperatura desceu de 19º C para 13º C em menos de 2 horas. "Ou seja - segundo Luís Serpa - o frio está à porta".

A informação mais recente (21 horas nos Açores) do site do IPMA indica que na Horta a temperatura registada no Observatório Príncipe Alberto do Mónaco é de 17.6º C, vento de sudoeste a 14.4 km/h e humidade a 96.3%, sem precipitação que, no entanto, já se inicou.

Os próximos dias talvez nos proporcionem este espetáculo

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

CULTURA | Verdi interpretado na Horta

Bicentenário do compositor italiano e Dia Mundial da Música oferecem noite cultural aos faialenses através de Helena Juravskaya e Alexander Kuklin



O Dia Mundial da Música foi assinalado na Horta com a comemoração do bicentenário do nascimento de Giuseppe Verdi. Ontem, na Biblioteca João José da Graça, a soprano Helena Juravskaya e o pianista Alexander Kuklin interpretaram, num recital, obras de Verdi, perante um auditório de várias dezenas de pessoas, em que pontificaram cidadãos de vários países que residem na ilha do Faial.

Interpretação de «La traviata - Brindisi» na Biblioteca João José da Graça, pela soprano Helena Juravskaya e pelo pianista Alexander Kuklin:

sábado, 28 de setembro de 2013

ECONOMIA | «Mestre Simão» já navega

O blogue Porto da Madalena adiantou, na quinta-feira, que os testes de mar da embarcação Mestre Simão, que vai operar no Grupo Central do arquipélago a partir do próximo ano, já foram realizados. Segundo a mesma fonte as provas de velocidade, comportamento e estabilidade foram positivas.

Manuel Alves, ou «Mestre Simão», filho de Simão Alves, foi mestre da Empresa das Lanchas do Pico, Lda, com uma longa folha de serviços na travessia do Canal entre o Faial e o Pico, tendo emigrado para New Bedford em 1996, de acordo com Francisco Medeiros (Jornal do Pico, 27 de setembro de 2013) [fotografia: blogue Porto da Madalena]

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

ECONOMIA | Recepção ao «Funchal» faz comandante sentir honra e orgulho

Admirador confesso das ilhas açorianas, o comandante do paquete Funchal, António Morais, mostrou-se sensível à forma como navio foi recebido de novo nos Açores. Honra e orgulho foram as palavras escolhidas para expressar o sentimento na hora do regresso do Funchal.

António Morais destaca a forma como o Funchal foi acolhido nos Açores
[fotografia de Souto Gonçalves]




























ENTREVISTA À ANTENA NOVE:


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

ECONOMIA | O paquete «Funchal» regressou à Horta

Três décadas depois de ter abandonado a ligação marítima entre os Açores e Lisboa o paquete Funchal regressou à ilha do Faial e ao porto da Horta, fazendo recordar as décadas de 60 e 70 do século XX.

O «Funchal» no cais do Terminal Marítimo de Passageiros do Porto da Horta [fotografia de Souto Gonçalves]
























Recepção ao Funchal faz comandante sentir honra e orgulho >>>

Força Aérea evacua tripulante do Funchal >>>

Álbum de fotografias no Facebook >>>


REPORTAGEM DA ANTENA NOVE:

domingo, 22 de setembro de 2013

SOCIEDADE | O outono chegou

O outono começa hoje. Uma temperatura mais amena, alguns arrepios de frio, folhas caídas pelo chão e tons amarelados na natureza passam a fazer parte do nosso dia-a-dia. Pelos caminhos vamos começar a ver as «meninas para a escola» [na fotografia]


SOCIEDADE | Derrocada no Varadouro

Por volta das 17 horas de quinta-feira, 19 de setembro de 2013, ocorreu uma derrocada na escarpa sobranceira ao Varadouro. Trata-se de um fenómeno que acontece com alguma frequência naquela zona, próxima das termas.

O momento foi registado em vídeo pelo repórter Manuel Soares.

domingo, 1 de setembro de 2013

SOCIEDADE | Hospital da Horta não vai perder especialidades

O anúncio foi feito hoje pelo secretário regional da Saúde. Luís Cabral apresentou em Angra do Heroísmo as alterações à proposta inicial de reestruturação do Serviço Regional de Saúde. O novo documento surge após um período de discussão pública

Os serviços de urologia e de cuidados intensivos continuam no Hospital da Horta, noticia na sua edição desta segunda-feira o jornal Incentivo, que dá o seu melhor destaque ao assunto. O diário faialense acrescenta que o serviço de oncologia também vai permanecer na Horta, mas com recurso a especialistas da Terceira e de São Miguel.

«A condição arquipelágica» dos Açores é a justificação apresentada por Luís Cabral para que os três hospitais mantenham as especialidades médicas existentes, ao contrário da proposta inicial.

A reestruturação do Serviço Regional de Saúde transformou-se em polémica nos últimos tempos. As reações ao documento levaram o executivo regional a repensar as suas opções. Muitas das críticas atribuíam ao governo a vontade de esvaziamento de especialidades do Hospital da Horta e do Hospital do Santo Espírito, em Angra do Heroísmo. A desvalorização da classificação de alguns centros de saúde também foi contestada, bem como a centralização da gestão hospitalar.

A discussão no plano político em torno desta questão centrou-se no parlamento, mas o assunto também originou a intervenção da sociedade civil. O governo, entretanto, como foi dito, promoveu sessões para a discussão pública do tema. Foram recebidos, segundo o próprio executivo, 70 contributos no âmbito dessa discussão.

A nova proposta deixa cair a intenção de criação de um centro hospitalar. Luís Cabral adiantou que o governo opta por «lançar mão de instrumentos existentes, como a Saudaçor e a Comissão de Coordenação do Serviço Regional de Saúde». Os dois organismos servirão para «definir, acompanhar, avaliar e fiscalizar as medidas que visam a uniformização de procedimentos e consequente poupança de recursos», explicou o governante.

O Plano de Ação para a Reestruturação do Serviço Regional de Saúde será implementado a partir de agora. O seu propósito é promover uma melhor articulação entre as unidades de saúde. Os três hospitais mantêm, no entanto, as respetivas administrações, já que o modelo de centralização prefigurado no centro hospitalar, como se disse, foi abandonado.


A reestruturação em causa cria a possibilidade de utentes das ilhas sem hospital passarem a poder escolher o hospital de destino, à semelhança do que já acontece com as grávidas.


No que respeita aos centros de saúde a sua classificação foi revista. O Centro de Saúde Horta já não será um centro de saúde básico. A nova classificação de intermédio tem como consequência a alteração da hora de encerramento, que passa a ser às 20 horas.

Cidadãos alertam para a concentração de serviços médicos em São Miguel >>>

Serviço Regional de Saúde: Valeu os Faialenses se unirem e lutar >>>

sábado, 31 de agosto de 2013

SOCIEDADE | «Ti Bispo» vaticinou terramoto de 1926 no Faial

Completam-se hoje 87 anos sobre o terramoto de 1926 na ilha do Faial que figura entre os sismos mais devastadores que atingiram esta ilha

A terra tremeu pouco antes das 9 da manhã e a consequência mais trágica foi a morte de 9 pessoas. Dados históricos indicam mais de 200 feridos. A violência do abalo devastou grande parte do património edificado, nomeadamente a igreja da Conceição da cidade da Horta. Mais de 4.000 casas em diversas localidades da ilha foram derrubadas total ou parcialmente.

O epicentro do tremor de terra, que atingiu a intensidade X da Escala de Mercalli Modificada (antepenúltimo grau, classificado como «destruidor»), localizou-se no Canal do Faial.

«Castigo de Deus antes do mês de agosto acabar!»

É conhecida na freguesia de Castelo Branco uma história segundo a qual a ocorrência do terramoto de 1926 (termo com que a população mais antiga se referia ao sismo) foi vaticinada por um ancião. Conhecido por «Ti Bispo», o idoso terá predito um «castigo de Deus antes do mês de agosto acabar!»

«De manhã cedo», a 31 de agosto de 1926, cruzando-se com um transeunte na zona da Ribeira Pequena, naquela freguesia, «Ti Bispo» terá sido confrontado com o falhanço da sua profecia, ao que retorquiu, segundo um testemunho com mais de 40 anos: «O mês de agosto ainda não chegou ao fim!»

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

SOCIEDADE | Subida ao vulcão dos Capelinhos sem condições de segurança

A instabilidade geológica e a consequente diminuição das condições de segurança determinaram a supressão da subida ao vulcão dos Capelinhos da rota turística pelos principais 10 vulcões da ilha do Faial

A decisão, que visa salvaguardar a segurança dos pedestrianistas, resulta da instabilidade geológica do vulcão dos Capelinhos, que pode pôr em causa, sem que haja acompanhamento adequado, a segurança absoluta na sua visitação, informa o jornal digital Açores 24 horas.

A proibição da subida ao vulcão dos Capelinhos, decidida pelos responsáveis do Parque Natural do Faial, entidade a cargo de quem está a gestão deste circuito, faz diminuir em 4 quilómetros a extensão do Trilho dos 10 Vulcões, que é agora de 22,5 quilómetros.

Recorde-se que, em tempos, o faialense, especialista em vulcanologia, Victor Hugo Forjaz, defendeu a necessidade de vedar o acesso ao vulcão para evitar a aceleração da erosão.

SOCIEDADE | Cidadãos alertam para a concentração de serviços médicos em São Miguel

O governo regional quer centralizar serviços de saúde na ilha de São Miguel. O alerta é do primeiro subscritor de uma petição contra a proposta de reestruturação do Serviço Regional de Saúde. Governo avança com nova versão no próximo domingo

«Há um esvaziamento das especialidades, algumas delas já em funcionamento, nos hospitais da Terceira e da Horta», disse Carlos Vouzela à saída de uma audiência na Comissão de Assuntos Sociais do parlamento açoriano. Este professor na Universidade dos Açores garantiu aos deputados que a petição, assinada por mais de 1.800 pessoas, não se baseia em «bairrismos inúteis», mas na preocupação com a possível centralização de serviços numa só ilha.

Os peticionários temem que a reestruturação faça com que o acompanhamento médico não seja o adequado fora da maior ilha dos Açores e que a concentração de especialidades em São Miguel crie «uma dificuldade económica a todos os acompanhantes dos doentes que se têm de deslocar para uma ilha mais distante, com a qual não têm grande familiaridade».

Carlos Vouzela salientou que a proposta «não é sustentada por um estudo económico credível» e que os rácios apresentados como justificação não se adequam à realidade do arquipélago. «É tão caro trazer um doente da Terceira para São Miguel, como de São Miguel para a Terceira», frisou, acrescentando que as medidas terão também impacto na economia das outras ilhas.

O primeiro subscritor da petição lembrou também o investimento realizado recentemente na construção do Hospital da Ilha Terceira e em obras no Hospital da Horta. «Determinadas estruturas, extremamente pesadas, em que já se gastou o dinheiro da população», ficarão «vazias e sem qualquer funcionalidade», avisou.

A proposta de reestruturação do Serviço Regional de Saúde do governo regional esteve em discussão pública e a nova versão será apresentada no próximo domingo.

[Fonte: Agência Lusa]

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

ECONOMIA | Faial e Pico são das ilhas mais afetadas por interrupções de energia elétrica

EDA registou 31.000 interrupções de eletricidade nos Açores em 2012. A avaliar pelos números a exclamação «faltou a luz» foi muito repetida no ano passado

A empresa de Eletricidade dos Açores (EDA) registou 1.662 ocorrências em 2012 que originaram 31.000 interrupções na rede de média tensão. Estes números representam um aumento de 31% face ao ano de 2011.

De acordo com o Relatório da Qualidade de Serviço 2012, da responsabilidade da própria empresa, quase 11.000 interrupções tiveram uma curta duração e mais de 20 mil foram de duração longa.

O ano de 2012 «foi marcado pela passagem de dois furacões (em agosto e setembro) que afetaram sobremaneira a Região Autónoma dos Açores e a exploração dos sistemas elétricos, bem como por diversos incidentes em centros produtores», lê-se no relatório. «Embora se tenha verificado um agravamento dos indicadores gerais de continuidade de serviço, comparativamente a 2011, os padrões de qualidade de serviço estabelecidos foram cumpridos, tanto na média como na baixa tensão», adianta o documento.

Das 1662 ocorrências registadas em 2012, cerca de 63% dizem respeito a situações previstas (acordo com clientes, razões de serviço e factos imputáveis aos clientes), mas verificou-se um aumento dos episódios imprevistos, relativamente a 2011.

A percentagem e a natureza das ocorrências são as seguintes: 20% de situações imprevistas por causas próprias; 11% reengates; 4% casos fortuitos ou de força maior e 1% deslastre de cargas por razões de segurança.

Os maiores aumentos de ocorrências deram-se nas ilhas do Faial (24%), Pico (67%) e Corvo (100%)”.

Quanto à rede de baixa tensão, a EDA registou em 2012 cerca de dois milhões de interrupções, mais 28% do que o registado em 2011. Cerca de 700.000 mil corresponderam a interrupções curtas e 1.300.00 mil a interrupções longas.

Dos inquéritos, feitos por amostragem, a 431 clientes residenciais das nove ilhas e 24 clientes empresariais, a EDA concluiu que «a opinião dos inquiridos apresenta uma melhoria generalizada, elevando ainda mais o nível do serviço prestado» pela elétrica açoriana.

O Relatório da Qualidade de Serviço é anualmente elaborado e tem por objetivo caracterizar a qualidade do serviço prestado pela EDA.

[Fonte: Agência Lusa]

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

SOCIEDADE | Angústias sem água durante dois dias

Parte da freguesia das Angústias esteve sem água durante 48 horas. A interrupção aconteceu na quinta-feira e o abastecimento só foi retomado no sábado

A situação fez recordar tempos mais antigos em que, no verão, os faialenses se viam, por vezes, privados de água nas torneiras. A última grande «crise» de falta de água remonta ao início da década de 1990. Desta feita tratou-se de uma avaria na bomba do furo das Areias, nos Flamengos, que abastece certas zonas da maior freguesia citadina.

O vice-presidente da câmara da Horta deu explicações sobre o sucedido ao jornal Incentivo, publicadas na edição de hoje.

Tratou-se de um derrame e de uma avaria da bomba do furo das Areias. José Leonardo informou que foram mobilizados os trabalhadores do sector das águas da câmara municipal para reparar a bomba mas perante a impossibilidade de voltar a colocá-la em funcionamento foi necessário esperar por uma nova bomba que só chegou no sábado.

SOCIEDADE | Batata com forma curiosa nasce no Pico

Albino Manuel Terra Garcia publicou hoje na cronologia do seu perfil no Facebook uma fotografia de uma batata com uma forma muito curiosa

«Uma batata do quintal do meu vizinho Augusto» escreveu este picoense na legenda da imagem, que abaixo, com a devida vénia, também publicamos. Na verdade o tubérculo assemelha-se à cabeça de um animal, com orelhas, olhos, nariz e boca, podendo representar, talvez, um coelho.

Este cibernauta é uma personalidade distinta do meio cultural picoense e açoriano, ligada à espeleologia. No seu perfil desta rede social tem publicado imagens importantes da história local e revela frequentemente o seu interesse pela preservação da natureza com a divulgação de fotografias sobre paisagens açorianas.

Uma curiosa batata cultivada na ilha do Pico [fotografia de Albino Terra Garcia]

sábado, 24 de agosto de 2013

CULTURA | Núcleo museológico dos cabos submarinos «já não vai com amigos!»

O Grupo dos Amigos da Horta dos Cabos Submarinos assinalou o 120.º aniversário do lançamento do primeiro cabo submarino na ilha do Faial com um colóquio na Biblioteca João José da Graça

O movimento de «resgate do esquecimento da importância histórica do tempo dos cabos submarinos», como o classificam os seus promotores, iniciou-se há quatro anos e partiu de antigos «cabografistas» que se organizaram no Grupo dos Amigos da Horta dos Cabos Submarinos em parceria com a Associação dos Antigos Alunos do Liceu da Horta.

Na sexta-feira, 23 de agosto de 2013, aconteceu mais uma iniciativa do grupo, que assinalou o lançamento do primeiro cabo submarino na ilha do Faial, que foi amarrado na praia da Conceição, no extremo norte da cidade da Horta.

Tratou-se de um colóquio em que intervieram diversos participantes destacando a importância de envolver as gerações mais novas neste movimento, através da escola, nomeadamente.

A transformação da Trinity House, onde hoje funciona a Escola António José d'Ávila e que é um edifício emblemático do tempo dos cabos submarinos, num núcleo museológico foi alvo de uma das mais importantes intervenções dos participantes.

O historiador faialense, editor do Boletim do Núcleo Cultural da Horta, investigador em diversas universidades portuguesas, nomeadamente na dos Açores, Ricardo Madruga da Costa, disse na ocasião que a criação e instalação do núcleo museológico tem que ter um suporte institucional. «Isto já não vai com amigos!», exclamou.



Ricardo Madruga da Costa lembrou que o governo regional prometeu, através da secretária da cultura, no mandato anterior, a entrega da Trinity House ao Grupo dos Amigos da Horta dos Cabos Submarinos e exigiu que agora seja explicitada a forma como o irá fazer.

Outros dos intervenientes no colóquio chamaram a atenção para a necessidade de não se pensar apenas no que é preciso fazer no futuro, mas também no que pode ser feito de imediato, referindo-se à recuperação dos artefatos que existem no Faial e que pertenceram às companhias dos cabos.

Significativa presença para resgatar os cabos submarinos do esquecimento
Henrique Barreiros preside à Associação dos Antigos Alunos do Liceu da Horta
Plateia atenta no auditório da Biblioteca João José da Graça na Horta
Henrique Barreiros tem sido um paladino desta causa
Faialenses residentes e outros de passagem entre os participantes
Henrique Barreiros falou na sessão de abertura no seu estilo entusiasmado
A memória dos cabos submarinos desperta interesse
Descendente de um antigo «cabografista» no uso da palavra
José Duarte da Silveira é uma figura de relevo entre os «cabografistas»
A assistência com um perfil eclético
Ricardo Madruga da Costa: «Isto já não vai com amigos!»
A «quota feminina» foi largamente ultrapassada
Carlos Silveira, antigo «cabografista» e um dos faialenses mais interessados
A importância de preservar o património atrai a atenção

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

CULTURA | Cabo submarino faz 120 anos

O Grupo dos Amigos da Horta dos Cabos Submarinos promove amanhã uma jornada de comemoração do lançamento do primeiro cabo, na praia da Conceição

Foi há 120 anos. Esta iniciativa surge no momento em que os antigos «cabografistas» dão por concluída o que consideram ser a primeira fase do movimento de reabilitação da memória e do património desse tempo.

O contributo do trabalho realizado nos últimos quatro anos por este denominado movimento cívico pode resumir-se no resgate do esquecimento, na sociedade e nas instâncias políticas, da importância histórica do tempo dos cabos submarinos e na recuperação de diferentes tipos de património, especialmente tecnológico, de telegrafia submarina.

No dia de amanhã, principalmente durante um colóquio, deverão ficar definidas as linhas de atuação futuras do movimento, que tem o suporte da Associação dos Antigos Alunos do Liceu da Horta. Em causa está nomeadamente o destino a dar à Trinity House, que o governo anterior destinou exatamente para ser ocupada pelo museu do cabo submarino, onde poderá vir a ser instalada uma exposição do equipamento, agora recuperado, e que foi utilizado durante anos naquelas próprias instalações.

Há 120 anos o cabo foi lançado nos Açores para resolver o abandono em que se encontravam as comunicações com o arquipélago. A partir daí assistiu-se ao crescimento do número de cabos, que chegou a 15, com uma diversidade de destinos assinalável.


Cabo submarino «amarrado» na praia da Conceição, na Horta, há 120 anos 
[fotografia: direitos reservados]


[Escrito por Rui Gonçalves e publicado na edição do jornal Incentivo de quinta-feira, 22 de agosto de 2013]

terça-feira, 20 de agosto de 2013

CULTURA | Manuela Bairos defende recuperação do Farol da Ribeirinha

A diplomata Manuela Bairos escreveu ontem no seu perfil do Facebook que «os Capelinhos são um orgulho para o Faial», mas «a Ribeirinha não merece menos»

Esta faialense, hoje a trabalhar no Ministério dos Negócios Estrangeiros, depois de uma já longa carreira diplomática em representação de Portugal, que a fez passar, nomeadamente, pelo Consulado-Geral em Boston, apelou, no texto já referido, «aos conterrâneos faialenses» para promoverem «um projecto audacioso como o Faial já deu provas de saber fazer» reabilitando o farol da Ribeirinha.

Farol da Ribeirinha, ilha do Faial, em agosto de 2013 [fotografia de Manuela Bairos]



























De passagem pelo Faial em férias, nos últimos dias, Manuela Bairos mostra-se agradada com «novos ou renovados pontos de interesse» na ilha: Casa Manuel de Arriaga, Aquário do Porto Pim, Casa de veraneio da família Dabney, jardim botânico, miradouro do Monte Carneiro, as levadas...

«Ao percorrer a ilha noto contudo que haveria necessidade de mais dois locais de paragem: Cedros (centro etnográfico? Laticínios?) e o Farol da Ribeirinha (com um projecto de Ciência Viva lá instalado)», sugere a diplomata. Manuela Bairos acrescenta que «para quem faz a volta à ilha, uma paragem nestes dois locais em muito enriqueceria e equilibrava o património visitável do Faial» e revela uma convicção: «Estou certa de que isso vai acontecer.»

Com a sua visão do exterior, Manuela Bairos nota «uma dinâmica de recuperação do património em marcha» e chama a atenção para o fato de o farol da Ribeirinha [na fotografia, publicada no seu perfil] estar «mais em risco de sofrer com a erosão dos elementos». E completa: «Hoje os Capelinhos são um orgulho para o Faial. A Ribeirinha não merece menos, com um enquadramento soberbo de miradouro para o Pico, São Jorge e Graciosa.»

Manuela Bairos: o Faial tem «novos ou renovados pontos de interesse»
[fotografia: direitos reservados]






sábado, 17 de agosto de 2013

CULTURA | Lancha «Espalamaca» continua abandonada

A «triste agonia» da lancha «Espalamaca» foi a expressão escolhida por Pierre Sousa Lima para destacar no Facebook o estado de abandono em que se encontra a menina dos olhos da Empresa de Lanchas do Pico, que deixou de navegar há mais de uma década


Lancha «Espalamaca» nos estaleiros da Madalena, em agosto de 2013 
[fotografia de Pierre Sousa Lima]




























Num artigo publicado na página «Açores Global», de que é um dos administradores, Sousa Lima diz-se revoltado por «assistir», sempre que se desloca à ilha do Pico, à «morte lenta daquela lancha no estaleiro da Madalena», que o autor do texto afirma se ter transformado «num autêntico cemitério de embarcações».

Este ativo cibernauta publicou juntamente com o referido texto, a 15 de agosto de 2013, diversas fotografias [entre elas a que aqui se reproduz] que «ilustram» a situação denunciada, incluindo algumas da lancha «Calheta», com igual sorte.

Pierre Sousa Lima lembra uma resolução do parlamento açoriano, publicada a 30 de julho de 2012 no Jornal Oficial, que recomenda ao governo regional «a elaboração e apresentação de um estudo, no prazo de 60 dias, sobre a viabilidade da recuperação e reutilização» da «Espalamaca». O objetivo era recuperar «um pedaço da história do empreendedorismo» e da «superação das dificuldades de outrora».

Na mesma linha, o administrador da página «Açores Global» cita o manifesto eleitoral do PS-Açores para as eleições legislativas regionais de há um ano: «Implementar o Núcleo do Museu de Construção Naval em Santo Amaro e concluir o estudo sobre a viabilidade da recuperação e reutilização da lancha Espalamaca».

A «Espalamaca» é «uma das embarcações mais emblemáticas do transporte de passageiros no Triângulo durante o século XX», escreve Sousa Lima, recordando a sua entrada em funcionamento na década de 50 e sua vida ativa de 40 anos.